Ficha do produto
Coração do Dia - Mar de Setembro
Código: 79335
Última edição: fevereiro de 2013
N.º de páginas: 80
Editor: Assírio & Alvim
ISBN: 978-972-37-1666-5
Normalmente segue para o correio em 24 horas
PÁGINAS
 

Sobre o livro

Sinopse
O terceiro volume da coleção Obras de Eugénio de Andrade reúne os livros «Coração do Dia», publicado pela primeira vez em 1958, e «Mar de Setembro», de 1961. Esta edição respeita escrupulosamente a fixação do texto feita ainda em vida, pelo poeta, e conta com um prefácio do Professor Fernando J.B. Martinho, que nos diz, dos dois conjuntos de poemas que compõem este livro: «A limpidez, a luminosa simplicidade que nos oferta, em ambos estes conjuntos, há que aceitá-la como uma graça de que só a grande poesia é capaz.»


DESPERTAR

É um pássaro, é uma rosa,
é o mar que me acorda?
Pássaro ou rosa ou mar,
tudo é ardor, tudo é amor.
Acordar é ser rosa na rosa,
canto na ave, água no mar.

Coração do Dia - Mar de Setembro de Eugénio de Andrade

Detalhes do produto


Coração do Dia - Mar de Setembro de Eugénio de Andrade

Ano de edição ou reimpressão: 2013

Editor: Assírio & Alvim

Idioma: Português

Dimensões: 145 x 205 x 8 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 80

Classificação: Poesia

 

Outros livros

Bibliografia

2014  Assírio & Alvim
2014  Assírio & Alvim
2014  Assírio & Alvim
2013  Assírio & Alvim
2013  Assírio & Alvim
2013  Assírio & Alvim
2013  Assírio & Alvim
1923-2005) Poeta português, Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, nasceu a 19 de Janeiro de 1923 no Fundão. Em 1947 ingressou na função pública, como funcionário dos Serviços Médico-Sociais, e em 1950 fixou residência no Porto. Manteve sempre uma postura de independência relativamente aos vários movimentos literários com que a sua obra coexistiu ao longo de mais de cinquenta anos de actividade poética. Revelando-se em 1948, com As Mãos e os Frutos, a que se seguiria, em 1950, Os Amantes sem Dinheiro, o seu nome não se encontra vinculado a nenhuma das publicações que marcaram, enquanto lugar de reflexão sobre opções e tradições estéticas, a poesia contemporânea, embora tenha editado um dos seus volumes, As Palavras Interditas, na colecção "Cancioneiro Geral" e tenha colaborado em publicações como Árvore, Cadernos do Meio-Dia ou Cadernos de (...)