2020-09-08

Assírio & Alvim assinala os 100 anos do nascimento de Ruben A.

Nova edição de O Mundo à Minha Procura, com prefácio de Marcelo Rebelo de Sousa, e reedição de Silêncio para 4.

Partilhar:

No ano em que se celebra o Centenário do nascimento de Ruben A., a publicação de O Mundo à Minha Procura reúne num só volume os três livros que constituem a autobiografia do autor.

Passando pela infância, o primeiro amor, os estudos em Coimbra, amizades, livros e viagens, esta obra representa, como afirmou Ruben A. numa entrevista ao Diário Popular em julho de 1965, «uma necessidade urgente de arrumar a minha vida sentimental, de ver a novela que dentro do meu ser transporto. A forma autobiográfica é a mais pura do romance, a criação permanente de um estado de espírito que traz presentes os fantasmas que se acolheram no sótão da sensibilidade». Esta edição conta com prefácio do presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Também Silêncio para 4 é agora reeditado. «Nunca em língua portuguesa se ilustrou com tão jubilante desvairo a palavra conhecida de Nietzsche: o amor é o ódio mortal dos sexos. Ao longo de um diálogo-monólogo de duzentas páginas, Ruben A. executa a sua música imprevisível e certa, dançando ao seu compasso atonal, vertiginoso e estático ao mesmo tempo, o strindberguiano motivo da "dança da morte", transposto para nova lusitana liberdade de amar fora de portas e em todas as estações. Metáfora uma da outra, a dança erótica e a da escrita que nela se alimenta, verso e reverso de uma só aventura imaginária, essência do amor e da palavra que o inventa ou transfigura, desenham a meias a mais fabulosa quadratura da ficção das nossas letras», escreve Eduardo Lourenço, no prefácio a esta edição.

 

Os livros estarão disponíveis nas livrarias a 10 de setembro.

 

Sobre o autor

 

Ruben A. nasceu a 26 de maio de 1920, em Lisboa. Formado em Ciências Histórico-Filosóficas pela Universidade de Coimbra, foi docente na área da Língua e Cultura Portuguesas na Universidade de Londres entre 1947 e 1952. Estreou-se em 1949 com Páginas, misto de diário e ficção, um texto que sairia ao longo dos anos seguintes, em seis volumes. Destacam-se ainda, na novelística, os romances Caranguejo (1954), narrativamente escrito de trás para a frente, sem numeração de página, e A Torre da Barbela (1964), onde o autor funde a ficção biográfica e a ficção histórica. A segunda metade da década de 60 será marcada pela publicação dos três volumes autobiográficos O Mundo à Minha Procura. A sua escrita distingue-se pelo recurso a inteligentíssimos jogos de linguagem, desconstrução dos eixos narrativos tradicionais, subversão cronológica dos eventos passados e, claro, pela crítica irónica a uma certa forma de ser português. Alguns meses antes da sua morte, foi convidado a dar aulas na Universidade de Oxford. Morreu em Londres, a 26 de setembro de 1975.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK