2020-01-15

[Se da boca de Ossian canto e gesta]

Partilhar:
Se da boca de Ossian canto e gesta
Não ouvi, nem provei do vinho antigo,
Por que vejo um recanto de floresta
Sob a lua da Escócia em sangue vivo?

Súbito no silêncio me golpeiam
Gritos de harpa e corvo em seu chamar,
As vestes dos guerreiros me lampejam
Pelos olhos sob o sangrento luar.

Maravilhada herança me proveio
De longínquos cantores: errantes sonhos.
De próximos e parentes por direito
Desprezamos as vozes enfadonhas.

Mais de um tesouro, os netos evitando,
Quem sabe nos bisnetos vá tombar;
O bardo comporá o alheio canto
E como seu o irá proclamar.

Ossip Mandelstam (1891-1938)
Guarda Minha Fala para Sempre
(tradução de Nina Guerra e de Filipe Guerra)

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK