2021-09-13

«Um hino ao despojamento»

Hojoki – reflexões da minha cabana, de Kamo no Chomei

Partilhar:

Kamo no Chomei acabou de escrever Hojoki – reflexões da minha cabana em 1212, totalmente isolado do mundo, na sua cabana na montanha.

Nas palavras de Jorge Sousa Braga, que contextualiza e verte o texto para português a partir de várias línguas: «Hojoki é um clássico intemporal da literatura japonesa, como o Makura no soshi (O Livro de Cabeceira) de Sei Shonagon e o Tsurezuregusa (Diário de Um Ocioso) de Yoshida Kenko. Na sua brevidade, para além duma estreita comunhão com a natureza, ressoa a efemeridade das coisas humanas e a transitoriedade da nossa existência. O Hojoki é um hino ao despojamento, escrito de uma forma também ela despojada.» Clássico intemporal da literatura japonesa, este novo título da coleção Gato Maltês inclui desenhos de Avelino Sá.

 

O livro já se encontra em pré-venda e estará disponível nas livrarias a 23 de setembro.

 

«Um rio corre sem parar, mas a água que corre nunca é a mesma. Aqui e ali a superfície tranquila, flocos de espuma aparecem e logo desaparecem. O mesmo se passa com os homens e os lugares ondem habitam.»

 

Sobre o autor

Kamo no Chomei foi um poeta japonês nascido na cidade de Shimokamo, em 1155. O seu pai tinha um alto cargo na administração de um templo xintoísta e Kamo cedo foi introduzido na corte. Dessa experiência precoce, parece ter nascido a sua paixão pela poesia e pela música. Não obstante, a sua vida foi fortemente marcada pela época conflituosa, política e socialmente, em que viveu, levando-o a abandonar o círculo privilegiado em que crescera. Após converter-se ao budismo, em 1204, decidiu afastar-se de vez da cidade e refugiar-se na sua cabana na montanha. Morreu em 1216, aos 61 anos de idade.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK