2021-05-04

[Verbenas, perpétuas, violetas.]

Partilhar:

Verbenas, perpétuas, violetas.
Seixos e areia a espaçá-las,
e o mirto enamorado a acalentar
a frieza da grade que cinge este recinto.

Não se saboreiam os dias,
o pão e o vinho aqui,
onde nem o vozeio do mar
encontra um peito
que o aceite como sua pulsação,
lacerando-se nas próprias cicatrizes.

Folhas, flores em que acreditamos
ao vê-las.
E até no halo
que as amplia, por nós criado
como incerto refúgio

em que nos expomos, indefesos,
ao crer que seguimos as raízes
deste exíguo jardim compadecido:

nelas descemos a tocar o que foi
rosto, alento, cabelos, mãos, palavras;
por elas se erguem para nós suas dádivas,

até nosso nome vivo nuns lábios, no olhar
que espelhava este azul
como se ele fora intacto sempre.

José Bento (1932)
Sítios

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK