2019-03-15
Canção da morte pequena
Prado mortal de luas,
Sangue debaixo da terra.
Prado de sangue velho.

Luz de ontem, luz de amanhã.
Céu mortal de relva.
Luz e noite de areia.

Encontrei-me com a Morte.
Prado mortal de terra.
Uma morte pequena.

Há um cão sobre o telhado.
Só uma das minhas mãos
atravessava sem fim
montanhas de flores secas.

Catedral de cinza apenas.
Luz e noite de areia.
Uma morte pequena.

A morte e eu, um homem.
Um homem sozinho, e ela,
uma morte pequena.

Prado mortal de luas.
Trémula, a neve geme
atrás de qualquer porta.

Um homem, e quê? Já disse.
Um homem sozinho e ela.
Prado, amor, luz e areia.

Federico García Lorca (1898-1936)
Poemas
(seleção e tradução de Eugénio de Andrade)
Partilhar:
Poemas
Poemas
Federico Garcia Lorca

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK