2023-11-21
Palavras sérias

Espera-me ao fundo da rua
Que eu não demoro um segundo:
Habituei-me a ter medo
Das bocas más que há no mundo!
Falam de tudo e aproveitam
As aparências ligeiras
De coisas que são às vezes,
Palermices, brincadeiras,
Razões de pássaro tonto,
Ou bilha que se partiu
Quando se enchia na fonte
Talvez a pensar no rio
De água triste e abandonada
Pelas cachopas da aldeia
Que vão mais longe lavar?
Não dou ouvidos a nada:
Quem quiser pode falar:
Tu és sempre o meu amor;
És a minha maré-cheia
E eu este escravo do mar!

António Botto (1897-1959),
Poesia
(edição, cronologia e introdução de Eduardo Pitta)

Partilhar:
Poesia
Poesia
António Botto