Marginálias

Marginálias

ISBN: 978-972-37-0900-1
Edição/reimpressão: 01-2005
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78058
ver detalhes do produto
40,00€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
40,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Ramón Gomez de la Serna, figura maior da literatura espanhola do séc. XX, e Almada Negreiros, personalidade ímpar do modernismo em Portugal. Entre ambos uma amizade duradoura que foi responsável por uma colaboração com resultados extraordinários, e, até à edição do presente volume, largamente desconhecida em Portugal. Dela nos fala Fernando Cabral Martins: "A amizade que liga Almada e Ramón quando da segunda estadia deste em Portugal, de 1924 a 1926, altura em que o madrileno constrói uma casa no Estoril, El Ventanal, e percorre de algum modo os círculos modernistas lisboetas, terá sido decerto um incentivo maior da ida de Almada para Madrid em 1927. Aliás, "El alma de Almada", que Ramón publica em "La Gaceta Literaria", e onde o define como um ser ímpar no meio da pintura e da literatura portuguesas, é um artigo que é publicado ainda antes da sua chegada a Madrid, o que indica alguma previsão dela e serve sem dúvida para a preparar. Será, de resto, sob o patrocínio dessa revista que Almada irá fazer a sua exposição de desenhos na capital espanhola, importante episódio do seu lançamento no meio."
Esta é a edição que reúne, pela primeira vez em Portugal, e em fac-símile, o resultado do diálogo que durante alguns anos Serna e Almada mantiveram em alguns jornais semanários madrilenos.
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Marginálias
ISBN: 978-972-37-0900-1
Edição/reimpressão: 01-2005
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78058
Idioma: Português
Dimensões: 232 x 290 x 20 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 232
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Outras Formas Literárias
"Ramón Goméz de la Serna, ou simplesmente Ramón, como toda a Europa e América Latina artísticas o conheceram nos anos 20 ou 30, nasceu em Madrid em 1888. Aos vinte anos dirige uma revista literária ('Prometeo') que durou até 1912. Interessado por tudo o que é moderno, funda, em 1915, na Calle de Carretas, não muito longe da Puerta del Sol, a tertúlia do 'Café del Pombo' por onde irá passar toda a 'intelligentsia' espanhola, e não só, atraída pela sua fama de grande mestre do humor e da vanguarda. Tentou criar em Madrid um ambiente cosmopolita e verdadeiramente moderno. Viajou muito - viveu em Paris, Nápoles, Genebra, construiu uma moradia no Estoril onde passou largas temporadas, mas é sobretudo Madrid que palpita na sua obra. Obra imensa - de todos os géneros que existiam e que não existiam: romances ('La Viuda Blanca y Negra', 'La Quinta de Palmyra', 'Seis Falsas Novelas', 'La Nardo', 'La Mujer de Ambar'), crónicas ('El Rastro', 'Toda la História de Puerta del Sol', 'La Proclama del Pombo'&), biografias ('Lope Viviente', 'Ramón del Valle Inclán', 'Goya', 'Oscar Wilde', 'Velasquez'&), ensaios ('El Circo', 'Senos'&), autobiografia ('El Libro Mudo', 'Secretos', 'Automoribundia')& numa lista de duzentos títulos. Foi traduzido por toda a Europa. Com Chaplin e Pitigrilli, foi o único estrangeiro admitido na Academia de Humor Francesa. E Valéry Larbaud, que poucas vezes se enganou, dele disse 'Com Proust e Joyce é um dos maiores escritores do século XX'. Em 1936, com o deflagrar da Guerra Civil, parte para Buenos Aires onde conhecera Luisa Sofovitch que o acompanhou até à morte em 1963."
Jorge Silva Melo no prefácio à obra "Greguerías"
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK