Cartoons do ano 2003

Cartoons do ano 2003

ISBN: 978-972-37-0877-6
Edição/reimpressão: 04-2004
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78044
ver detalhes do produto
25,00€ I
20,00€ I
-20%
PORTES
GRÁTIS
COMPRAR
-20%
10D
PORTES
GRÁTIS
25,00€ I
20,00€ I
COMPRAR
I 20% DE DESCONTO IMEDIATO
I Envio até 10 dias
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Uma das melhores formas de entendermos e questionarmos o mundo à nossa volta é o cartoon. Uma tira, um desenho, umas frases, e temos ali, de forma humorada, uma reflexão sobre a política, a sociedade, a cultura, o desporto, enfim, a vida. Como afirma Fernando Madrinha na introdução a este álbum ( que reúne os melhores cartoons do ano de 2003 de quatro dos melhores cartoonistas portugueses: António, Cid, Maia e Vasco), " o 'cartoon' é uma arma tão poderosa que os exércitos envolvidos nas duas guerras mundiais do século XX usaram e abusaram dela".
E Maria de Luz Rosinha acaba o seu texto também introdutório dizendo que "quando um dia se fizer a história desta época, por certo irão ser revisitados muitos dos 'cartoons', das personagens e das situações que estiveram representados em livros como este". Por aqui passam os nossos casos judiciais (a Moderna, Felgueiras, as contas na Suíça de um ministro, o escândalo Casa Pia, as escutas telefónicas, a violação do segredo de justiça), a produtividade, os nitrofuranos, a presidência europeia de Berlusconi, o Iraque, o projecto de Constituição Europeia, o défice e a retoma, e até as presidenciais de 2006. Comentados por José António Lima.
Ainda Fernando Madrinha: " Um bom 'cartoon' é uma leitura simples e directa de um facto noticioso complexo. Uma opinião com valor acrescentado pela força da imagem, do humor e da malícia, que nunca pode ser neutra e asséptica - ou não seria 'cartoon'. Um espaço de liberdade mais amplo e menos espartilhado do que qualquer outro espaço de opinião e comentário. Vale bem o preço de um jornal. Tal como estes 100 'cartoons' seleccionados pelos seus autores valem bem o preço deste livro."
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Cartoons do ano 2003
ISBN: 978-972-37-0877-6
Edição/reimpressão: 04-2004
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78044
Idioma: Português
Dimensões: 247 x 287 x 20 mm
Encadernação: Capa dura
Páginas: 120
Tipo de Produto: Livro

sobre Cid

Caricaturista, escultor, pintor e publicitário português, Augusto José Sobral Cid nasceu em 1941 no Faial (Horta), e morreu a 14 de março de 2019, em Lisboa.

No seu percurso escolar passou pelos colégios Infante Sagres e Moderno, em Lisboa, para além dos Estados Unidos da América, onde esteve em 1959 com uma bolsa de estudos, tendo frequentado o curso de Escultura da ESBAL (Escola Superior de Belas Artes de Lisboa).

As suas primeiras caricaturas (ou cartoons) conhecidas foram realizadas no final dos anos 50 do século XX, tendo participado no semanário humorístico A Parada da Paródia.

Durante a comissão militar prestada no leste de Angola entre 1966 e 1967 produziu uma série de caricaturas publicadas na Revista Militar de Luanda que, mais tarde, foram compiladas no livro Que se Passa na Frente?!! (editado pelo autor em fevereiro de 1974), onde Cid denuncia o nonsense que é a guerra.

No final dos anos 60 começou a ser notada a sua colaboração com "A Mosca", célebre suplemento do Diário de Lisboa, tanto ao nível da BD como da Caricatura, em paralelo com o seu trabalho de publicitário, área onde trabalhou durante dezoito anos na sua própria agência.

Depois do 25 de abril de 1974 colaborou em diferentes periódicos, como o República, o Novo Observador, O Século, a revista Vida Mundial, O Jornal Novo, A Tarde, O Dia, O Diabo, o Semanário, O Independente e as revistas Mundial e Focus. Durante 17 anos as suas caricaturas publicadas na capa do semanário O Diabo, dirigido por Vera Lagoa, fizeram as delícias dos seus leitores, sobretudo no período em que o general Ramalho Eanes foi Presidente da República (1976-1986).

No semanário O Independente apresentou uma personagem permanente, o CãoTraste, desde 1990, que o autor definiu como "o verdadeiro animal político" e que passava em revista os principais factos (sobretudo políticos) da semana.

Colaborou ainda com a revista desportiva Mundial, com a TVI (Televisão Independente) fazendo caricaturas diárias para os serviços noticiosos (1991-1993), sem esquecer o jornal Povo Livre e as campanhas do PSD (Partido Social Democrata), partido com o qual se identifica sem contudo deixar de criticar com apreciável independência.

Foi considerado o mais incómodo dos caricaturistas portugueses, tendo tido diversos livros apreendidos, nomeadamente os relacionados com o período após o 25 de novembro de 1975 (O Superman, Eanito el Estático e O Último Tarzan, editados pela Intervenção entre 1979 e 1980) e o caso Camarate (Camarate e Camarate: Como, Porquê e Quem), sem esquecer os processos judiciais que lhe moveram. O autor teve, sem complexos, "alvos de estimação", como sejam o general Ramalho Eanes e Francisco Pinto Balsemão, não se coibindo de fazer um humor com opinião própria, daí a irritação de muitos dos seus visados.

Foi uma das pessoas que mais energicamente quis saber toda a verdade acerca da morte dos ocupantes do avião que, a 4 de dezembro de 1980, se despenhou nos arredores de Lisboa, em Camarate, e que vitimou Francisco Sá Carneiro (primeiro-ministro), Adelino Amaro da Costa (ministro da Defesa) e comitiva.

O seu inconfundível traço fino e nervoso, com coloração a aguarela (influenciado pelo Cartoon inglês) está presente em dezenas de livros, merecendo referência a compilação dos melhores trabalhos que anualmente produziu, juntamente com António, Maia e Vasco, que com ele formaram os quatro magníficos da Caricatura nacional, sob o título de Cartoons do Ano (desde 1999).

Para além dos muitos livros de caricatura política, tem também trabalhos de caricatura publicitária, como os que fez para a Telecel e as seguradoras Lusitânia e Império.

Como escultor tem peças urbanas na avenida Gonçalves Zarco, em Lisboa (1995), no Aeroporto de Macau, na China (1997), na avenida dos EUA, em Lisboa (2001), em Oeiras e na Madeira (2003), para além de diversos troféus que realizou para a Associação do Cavalo Lusitano. Dedicou-se também à Pintura, tendo realizado algumas exposições.

Como caricaturista recebeu, entre outras distinções, o 1.º Prémio de Desenho Humorístico do Salão Nacional de Caricatura (1987), o Grande Prémio do I Salão Livre (1988), o Prémio CPPM - Humor e Património (1989), o Grande Prémio do Salão Nacional de Caricatura (1990), Grande Prémio do Salão Nacional de Caricatura (1994), o Prémio Nacional de Humor de Imprensa (1996) e o Prémio Stuart de Tira Cómica (2005).

Das muitas exposições em que participou, merecem destaque a retrospetiva de todo o seu trabalho (caricatura, escultura e publicidade), no Museu Rafael Bordalo Pinheiro, em Lisboa (1990) e "Augusto Cid - O Cavaleiro do Cartoon", no Museu Nacional da Imprensa, no Porto, de que se editou um importante catálogo (2004).
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK