Fanny e Alexandre

Fanny e Alexandre

ISBN: 978-972-37-1023-6
Edição/reimpressão: 12-2006
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78603
Coleção: O Imaginário
ver detalhes do produto
17,00€ I
13,60€ I
-20%
24H
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
24H
EM
STOCK
17,00€ I
13,60€ I
COMPRAR
I 20% DE DESCONTO IMEDIATO
I Em stock - Envio 24H

SINOPSE

Primeira edição em Portugal do livro que deu origem ao grande filme de Ingmar Bergman, Fanny e Alexandre. Este livro foi escrito em Faro.
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

"Ingmar Bergman sempre escreveu minuciosamente os seus argumentos, alguns dos quais estão publicados em volume, não como simples guiões mas como romances dialogados. Fanny e Alexandre é talvez o guião de Bergman mais romanesco, quase uma antologia de memórias infantis, obsessões, angústias e crueldades. [...] Bergman, que tem sido mencionado como possível Nobel da Literatura, é um grande cineasta que é também um grande escritor."
Pedro Mexia, Diário de Notícias

DETALHES DO PRODUTO

Fanny e Alexandre
ISBN: 978-972-37-1023-6
Edição/reimpressão: 12-2006
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78603
Coleção: O Imaginário
Idioma: Português
Dimensões: 135 x 210 x 26 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 240
Tipo de Produto: Livro
Ingmar Bergman nasceu em Upsala, na Suécia, em 1918, filho de um pastor luterano de moral rígida - e que desde muito cedo foi pastor numa importante paróquia de Estocolmo - e de uma mãe dominadora. Criança enfermiça, de imaginação excessiva, Bergman tentou furtar-se, logo que pôde, ao jugo familiar. Consagra-se ao teatro universitário nos anos de 1937 a 1940 e é encarregado pela SF (Svensk Filmindustri) de reescrever argumentos. O seu primeiro argumento original, Tormentos, será rodado em 1944 por Alf Sjoberg, e ele próprio realiza o seu primeiro filme, Crise, em 1945. Foi director do Teatro Municipal de Helsinborg (1944-1945), depois encenador nos teatros de Goteborg (1946-1949), de Malmoe (1953-1960) e, finalmente, no Teatro Dramático de Estocolmo, o teatro nacional sueco, do qual acabaria por se tornar director, entre 1963 e 1966.

Continuando a trabalhar no teatro, filma de preferência no verão, obras como: A Prisão (1948-1949), Monika ou o Desejo (1952), A Noite dos Feirantes (1953), Sorrisos de uma Noite de Verão (1955) - que obtém o Prémio especial do Júri no Festival de Cannes em 1956 - O Sétimo Selo (1956), O Rosto (1958), Através do Espelho (1961), Os Comungantes (1961-1962), O Silêncio (1962), Persona (1965), Gritos e Murmúrios (1971), uma série impressionante de filmes que contêm a sua marca muito pessoal e praticamente todos escritos pelo seu punho. O seu primeiro grande trabalho para a televisão, Cenas da Vida Conjugal (1972), fascina toda a Suécia; desse trabalho foi feita uma versão para cinema em 1974, ao mesmo tempo que Bergman rodava para a televisão a ópera de Mozart, A Flauta Mágica, a que se seguiu Face a Face (1975).

Na sequência de um conflito com o fisco, inutilmente transformado em caso judicial pelas autoridades, Bergman abandona temporariamente a Suécia e instala-se em Munique onde roda O Ovo da Serpente (1976), e depois Da Vida das Marionetas (1979-1980). Na Noruega filma Sonata de Outono (1977). Regressado à Suécia, filma Fanny e Alexandre (1981-1982; obteve seis nomeações para os Óscares de Hollywood e venceu quatro, o que é pouco comum num filme não falado em inglês), que será, anuncia na altura, a sua última criação para o cinema. No entanto, fará ainda alguns trabalhos para a televisão, dos quais Depois do Ensaio (1983) e um pequeno filme consagrado às fotografias feitas a sua mãe, O Rosto de Karin (1986). Continua a trabalhar no teatro como encenador.

Em 1987 publica um ensaio autobiográfico, Lanterna Mágica, seguido, em 1990, de uma análise dos seus filmes: Imagens. Escreve finalmente o romance-argumento As Melhores Intenções, consagrado à vida de seus pais; não é ele quem acaba por realizar esta série para a televisão, mas o realizador dinamarquês Bille August, que obterá, com o filme que foi feito da série, a Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1992.

Ingmar Bergman habita actualmente na pequena ilha sueca de Faro, onde vive em quase reclusão, desde a morte da mulher, Ingrid. O actor sueco Erland Josephson, que participou em vários dos seus filmes, é o seu contacto mais regular, mas por telefone. O realizador/encenador/argumentista tem-se dedicado a escrever e encenar peças teatrais ou argumentos para outros filmarem, como foi o caso de "Faithless / Infidelidade", dirigido pela sua actriz-fétiche e também ex-mulher, Liv Ullman, e que estreou no ano passado em Portugal.

Recentemente, dirigiu a peça "Maria Stuart", de Friedrich Schiler. Anuncia-se para Setembro deste ano a rodagem de um filme para televisão, com o título provisório de Anna, que contará com a participação de Liv Ullman e consiste em dez diálogos interligados, recuperando as personagens de Johan e Marianne do clássico "Cenas de um Casamento", que realizou há 30 anos.

Como atrás se disse, o realizador tinha decidido deixar de filmar após a conclusão de "Fanny e Alexandre", mas reconsiderou quando traduzia a peça "Espectros", do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen. Este novo filme vem responder a um desejo inesperado de voltar à realização, e Bergman disse em entrevista ter-se sentido como "Sara, a mulher de Abrãao que se vê grávida na velhice" ao ser dominado por um desejo "estarrecedor e instigante" de voltar a filmar.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK