Poemas

Poemas

avaliação dos leitores (1 comentários)
(1 comentários)
ISBN: 978-972-37-1226-1
Edição/reimpressão: 03-2008
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78792
Coleção: Documenta Poética
ver detalhes do produto
17,00€ I
-10%
24H
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
24H
EM
STOCK
17,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Em stock - Envio 24H

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«Penso que nunca vi o teu rosto
Num dia de chuva, quando as sombrias artérias do céu
Pulsam junto às árvores, e no teu coração
A água corre. Nunca te vi chorar
Com o monólogo da noite. Com a tua mente resistindo ao
Silêncio.[...]»
("Sidi Amar no Inverno" - Excerto)

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Viagens em forma de Poesia
Sofia Micalli | 2013-08-03
Poemas de Paul Bowles que retratam as viagens que nunca parou de fazer. É possível encontrra nalguns, imagens de "o céu que nos protege" ou "Por cima do Mundo"... No final do livro encontra-se uma tabela cronológica biográfica muito interessante, que poderá ser complementada com o recém editado "viagens".

DETALHES DO PRODUTO

Poemas
ISBN: 978-972-37-1226-1
Edição/reimpressão: 03-2008
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78792
Coleção: Documenta Poética
Idioma: Português
Dimensões: 146 x 206 x 12 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 160
Tipo de Produto: Livro

sobre Paul Bowles

Paul Bowles nasceu em Queens, Nova Iorque. Aprendeu a ler aos quatro anos e manteve diários escritos e desenhados desde essa idade. Com nove anos, começou a estudar teoria da música, canto e técnicas de piano. A partir de 1928, frequentou a Universidade da Virgínia e, em 1929, iniciou-se nas viagens, passando uma temporada na Europa. Voltou a Paris em 1931, onde conviveu com Gertrude Stein, Jean Cocteau e Ezra Pound; continuou por Berlim, onde se tornou amigo de Christopher Isherwood e visitou Kurt Schwitters em Hanôver. Foi também nesse ano que viajou pela primeira vez até Tânger, onde viveu grande parte da vida e acabou os seus dias. Em 1937, Bowles conheceu a escritora Jane Auer, com quem partiu de imediato em viagem para o México e com quem se casou no ano seguinte. Mantiveram um casamento aberto, por vezes turbulento, com viagens ora a uni-los ora a separá-los, até à morte de Jane Bowles, em 1973. Nos anos 50, vivendo grandes períodos no Norte de África, Bowles conheceu o marroquino Ahmed Yacoubi, que se tornou seu companheiro íntimo nas décadas que se seguiram e em muitas viagens. Esses anos foram também marcados pela visita e permanência das principais figuras da Beat Generation em sua casa, em Tânger.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK