2017-09-26

A primeira antologia poética de Rui Costa

Mike Tyson para Principiantes reúne uma seleção de poemas feita a partir de propostas do próprio autor

Partilhar:

Os últimos anos da vida de Rui Costa foram dedicados à escrita: foi dramaturgo, poeta, romancista, vencedor de vários prémios literários. É a antologia poética deste jovem autor, falecido prematuramente em 2012, que a Assírio & Alvim publica a 28 de setembro com o título Mike Tyson para Principiantes.

Organizada por André Corrêa de Sá, António Aguiar Costa, Cláudia Souto e Margarida Vale de Gato, colegas e amigos de Rui Costa, a antologia reúne uma seleção de poemas feita a partir de propostas que o próprio autor deixou esboçadas, com textos já editados em livros, com dispersos de várias fontes, e inéditos do espólio do autor. Nas palavras de André Corrêa de Sá, «há qualquer coisa no núcleo dos seus poemas que é consequência de uma fé indestrutível na sua vocação para se aproximar da beleza trágica da realidade — quer com a poesia, quer com a prosa de ficção, para a qual se foi progressivamente voltando. Por isso, muitos desses caminhos por onde o autor nos conduz, de um modo ao mesmo tempo familiar e malicioso, acabam por intersectar-se com figuras primordiais e paisagens nostálgicas, em lenta peregrinação ao consolo de um sol antigo».

SOBRE O AUTOR

Rui Costa nasceu e morreu no Porto entre 1972 e 2012, tendo de permeio estudado em Coimbra, exercido advocacia em Lisboa e Londres durante seis anos, feito um mestrado em Leeds, preparado um doutoramento em Saúde Pública no Rio de Janeiro e integrado bandas de música bombástica e sarcástica como os Mana Calórica. Em 2005, venceu a primeira edição do Prémio de Poesia Daniel Faria, que lhe valeu a publicação do seu livro de estreia, A Nuvem Prateada das Pessoas Graves. A partir dessa altura, passa a dedicar cada vez mais tempo à escrita. Em 2007, o romance A Resistência dos Materiais venceu o Prémio Albufeira de Literatura. Seguiu-se O pequeno-almoço de Carla Bruni (2008) e, ainda nesse ano, entusiasmado pelas possibilidades da narrativa breve, coorganizou a Primeira Antologia de Micro-ficção Portuguesa. No ano seguinte, com Rui Lage e Rui Cóias, candidatou-se à direção do PEN Clube Português; agitou as águas, mas não teve sucesso. Em 2009, concluiu As Limitações do Amor São Infinitas. A partir do Rio de Janeiro, escreveu, com Margarida Vale de Gato, Desligar e Voltar a Ligar, peça encenada em 2011 na Culturgest. Além destes títulos, contam-se uma série de textos dispersos em revistas literárias, blogues e volumes coletivos. O seu último livro de poesia publicado em vida, Breve Ensaio sobre a Potência, saiu em janeiro de 2012, pouco antes de o autor ter sido encontrado morto na foz do Douro.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK