2017-05-09

A Voz da Mãe Dava Sentido às Estrelas

Assírio & Alvim lança livro de Rabindranath Tagore com textos breves sobre a infância.

Partilhar:

Depois de ter publicado, no ano passado, A Asa e a Luz, a Assírio & Alvim lança agora, a 27 de abril, um novo livro de Rabindranath Tagore, A Voz da Mãe Dava Sentido às Estrelas – Textos breves sobre a infância.


Traduzido por Joaquim M. Palma, este livro inclui material diverso de Tagore: porventura aquilo que de mais belo ele escreveu a respeito da infância. Aqui vamos encontrar o seu livro A Lua Crescente (The Crescent Moon) em versão completa, que o autor dedicou ao filho na sequência da morte de sua mãe; do restante conteúdo fazem parte textos extraídos, sempre na sua forma integral, dos livros My Reminiscences e My Childhood Days.

A natureza destes escritos resulta da apurada sensibilidade poética do autor, estimulada pela presença da beleza que envolve o surgimento de qualquer criança no mundo e pelo encantamento que é observar o seu crescimento, onde não falta também o mistério da morte.
SOBRE O AUTOR

Compositor, pintor e escritor de expressão bengali e inglesa, nascido em 1861 e falecido em 1941, o indiano Rabindranath Tagore foi o primeiro não europeu a ser galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, em 1913. Como escritor, introduziu novas formas de prosa e de verso na literatura bengali. Simultaneamente foi um mestre espiritual, um reformador social e um importante polemista, procurando promover um ideal de cultura e tolerância baseado na tradição hindu. Defendendo que a educação era a base de toda a sociedade, em 1901 fundou uma escola experimental em Shantiniketan que se transformaria, anos mais tarde, numa universidade onde se conjugava a tradição hindu com a ocidental. Durante toda a sua vida lutou por um projeto de cooperação internacional, realizando várias conferências por diversos países.
O conjunto da sua obra é bastante variado: composições líricas, romances, contos, ensaios, obras dramáticas e autobiografias. Tagore foi sobretudo um poeta em cujas composições de expressão mística e patriótica, como em Gitanjali, se destacam as imagens simbólicas e um tom poético refinado e lírico. Além do prémio Nobel da Literatura, foi-lhe atribuído o título de cavaleiro do Império Britânico (1915), que renunciou como forma de protesto contra a repressão britânica na Índia.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK