2018-09-25

Agon, o novo livro de Luís Quintais

Conflito e diálogo entre os primeiros poemas de um poeta e a sua maturidade

Partilhar:

A 4 de outubro chega às livrarias o livro Agon, de Luís Quintais, que reúne um conjunto de antigos poemas reencontrados pelo autor, que aqui colocou em diálogo com outros poemas seus, de hoje. Nesta obra, com chancela Assírio & Alvim, podemos ler: «Os poemas contidos nesses cadernos têm, à data de publicação deste livro, mais de trinta anos. Metáforas arqueológicas, declinações agonísticas, perseguições e interpelações várias, adquiriram a configuração que se apresenta.»


Amaste o fogo.

O que atravessa a noite, o que exaure o corpo
da linguagem, o que se quebra
como madeira seca?

Que aluviões se acumulam no livro gasto que é a terra inteira?

O que será sacrificado?
Que poder existe nas imagens quebradas?
Que poder nas palavras, mapas sem referente?

SOBRE O AUTOR

Luís Quintais nasceu em 1968 em Angola. Antropólogo, poeta e ensaísta, leciona no Dep. de Antropologia da Universidade de Coimbra. Como antropólogo tem publicado ensaios em diversas revistas da especialidade sobre as implicações sociais e culturais do conhecimento biomédico, em particular Tem vários livros de poesia publicados, com os quais já foi distinguido com o Prémio Pen Clube de Poesia e o Prémio Luís Miguel Nava – Poesia, o Prémio Nacional de Poesia António Ramos Rosa 2016, o Prémio P.E.N. Clube Português de Poesia 2015 e o Prémio Fundação Inês de Castro 2014. A coletânea de poesia completa Arrancar Penas a Um Canto de Cisne venceu o Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes APE/C.M. de Amarante 2015-2016.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK