2016-10-12

Habitarei o Meu Nome

Assírio & Alvim publica antologia de Saint-John Perse.

Partilhar:

No próximo dia 20 de outubro, a Assírio & Alvim lança Habitarei o meu Nome, uma antologia de Saint-John Perse, vencedor do Prémio Nobel da Literatura.



João Moita foi o responsável pela seleção, introdução e tradução deste livro e, a esse propósito, escreve na introdução: «Uma vista panorâmica como a que se pretendeu dar sobre uma das poesias mais originais e, ao mesmo tempo, mais representativas do século XX tem obrigatoriamente de se constituir sob a égide de uma diacronia prejudicial à sincronia. Mas precisamente devido à inconfundível e inimitável genialidade destes poemas, cada versículo, cada linha aqui antologiados são um espelho tão fiel como fulgurante de uma obra que não conhece limitações tanto ao nível macroscópico como microscópico.»


Depois de a violência ter renovado o leito dos homens sobre a terra,
Uma velhíssima árvore, desprovida de folhas, retomou o fio das suas máximas…
E uma outra árvore de alta estirpe subia já as grandes Índias subterrâneas,
Com a sua folha magnética e o seu carregamento de frutos novos.


SOBRE O AUTOR

Poeta e diplomata francês, de nome verdadeiro Alexis Leger, nasceu a 31 de maio de 1887, na Ilha de Saint-Léger des Feuilles, oriundo de uma família ancestral francesa, que se havia estabelecido nas Antilhas no século XVII. Aos doze anos de idade mudou-se com a família para França, devido a razões económicas. Em 1910 publicou o seu primeiro livro, Éloges, e tornou-se membro do corpo diplomático. Entre 1921 e 1932, ocupou o posto de secretário ao serviço de Aristide Briand, o vencedor do Prémio Nobel da Paz em 1926. No ano de 1933 foi nomeado secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, mas acabou por ser demitido das suas funções em 1940, por altura da ocupação do país pelas tropas alemãs. Procurando refúgio na Inglaterra, preferiu transpor o Atlântico e fixar residência nos Estados Unidos da América, onde trabalhou como consultor para a Biblioteca do Congresso. Publicou, então, Exile (1942), obra que consolidou a sua reputação como poeta. Foi laureado com o Prémio Nobel da Literatura em 1960. Faleceu em Giens a 20 de setembro de 1975.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK