Hipérion ou o Eremita da Grécia

Hipérion ou o Eremita da Grécia

ISBN: 978-972-37-0416-7
Edição/reimpressão: 09-2011
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78302
ver detalhes do produto
13,00€ I
-10%
COMPRAR
-10%
13,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Esgotado ou não disponível.

DETALHES DO PRODUTO

Hipérion ou o Eremita da Grécia
ISBN: 978-972-37-0416-7
Edição/reimpressão: 09-2011
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78302
Idioma: Português
Dimensões: 146 x 206 x 12 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 208
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Livros > Literatura > Ensaios
"A vida e a obra de Hölderlin (1770-1843) confundem-se e fundem-se numa unidade totalizadora: a Poesia. Destinado à carreira eclesiástica por uma mãe dominadora, depressa se apercebe de que o seu caminho é o da criação pela palavra poética, a que prende todo o seu pensar, sentir e agir. (...)
A partir de 1802, ano em que morre a sua Diotima - Susette Gontard, esposa do banqueiro de Frankfurt, em casa de quem desempenhou funções de precetor desde 1796 até 1798 - passa a sofrer de perturbações psíquicas que se vão agravando com o tempo. Surge então a mitificação do "poeta louco", mais alvo de curiosidade do que de respeito, e muitos dos seus manuscritos são destruídos por conhecidos e amigos que procuram reunir e editar a sua obra poética e acham que tudo o que foi escrito a partir daquela data é apenas fruto de um estado psíquico alterado. Na Torre de Tübingen, junto ao rio Nécar, onde através da sua janela o poeta vê as águas, os cisnes, os campos até às montanhas do Alb suábio, Hölderlin vive ainda de 1807 a 1843, ano em que morre, a 7 de junho. O marceneiro Zimmer, dono da casa, que aceitou tomá-lo aos seus cuidados - em boa parte porque admirava o autor de "Hipérion", que lera com entusiasmo - depois da clínica Autenrieth o dar por incurável e com poucos meses de vida, veio a proporcionar-lhe, com a sua família, o ambiente de afeto e convívio de que o poeta carecera quase toda a sua vida. Neste último período, a produção poética cai numa maior rigidez formal, mas não perde o seu alcance lírico nem os seus ideais de humanismo helénico.
A grande revolução da poesia de Hölderlin ficou bem patente nos "Hinos Tardios" que apenas vêm a ser descobertos e editados em 1914 pelo escritor ligado ao Círculo George, Norbert von Hellingrath, que a breve trecho veio a morrer, durante a Primeira Grande Guerra. Em 1914, quando Rainer Maria Rilke lê, deslumbrado, tanto o volume dos "Hinos Tardios", como o "Hipérion", encontra em Hölderlin um novo modelo exemplar para a sua obra poética, sobretudo para as "Elegias de Duíno" e "Sonetos a Orfeu" que de algum modo ecoam a audácia sintática, rítmica e imagética dessas obras, lidas nesse ano. Depois de Rilke, toda uma plêiade de poetas tem assumido a herança de Hölderlin, nas mais variadas línguas e culturas. A unidade matricial da poesia hölderliniana, pela sua universalidade e pela sua essência fundamentalmente humana e intrinsecamente inovadora é captada nos mais diversos ângulos e temáticas, demonstrando a inesgotabilidade do autor e o carácter fundacional da sua obra."
Maria Teresa Dias Furtado, in "A Phala", nº 57
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK