Poemas

Formatos disponíveis
33,00€ I
26,40€ I
-20%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
33,00€ I
26,40€ I
COMPRAR
I 20% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Revisitando a reunião de Poemas, levada a cabo em 1996, incluem-se nesta nova edição revista os poemas publicados por António Franco Alexandre posteriores a essa data (Quatro Caprichos, Uma Fábula, «Aniversário», Duende e Aracne) e um conjunto de inéditos com o título «Carrocel».
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

Uma característica fundamental dos poemas de António Franco Alexandre — agora reunidos pela segunda vez, com inéditos sofisticados e desenvoltos, escritos no longo hiato desde a publicação de “Aracne” (2004) — é a sua variedade e ductilidade. Alguns dos poemas mais memoráveis são breves, de verso curto, despojados e intensamente líricos, mesmo que fugidios […]
Pedro Mexia, Expresso
Para quem lê esta poesia há sempre o risco de experimentar um estremecimento da imaginação. Esse estremecimento tem de vir de uma leitura em voz alta, de uma quase performatividade do escrito.
António Carlos Cortez, Jornal de Letras
É um dos mais belos livros do final de ano - Poemas (Assírio & Alvim) reúne a obra de um dos grandes poetas portugueses de hoje, António Franco Alexandre, de 1974 até agora, acrescentada de um livro inédito, “Carrossel”
Francisco José Viegas, Correio da Manhã

DETALHES DO PRODUTO

Poemas
ISBN: 978-972-37-2170-6
Edição/reimpressão: 10-2021
Editor: Assírio & Alvim
Código: 79223
Idioma: Português
Dimensões: 165 x 240 x 30 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 616
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Poesia
António Franco Alexandre nasceu a 17 de junho de 1944, em Viseu. Fez os seus estudos académicos nas áreas de Matemática e Filosofia em França (primeiro, em Toulouse, depois em Paris) e nos EUA (Harvard). Após o seu regresso a Portugal, em 1975, é convidado para professor de Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde lecionou até meados de 2009. Embora se tenha estreado como poeta ainda na década de sessenta, é sobretudo a partir da publicação de Sem Palavras nem Coisas (1974) que a sua obra se afirmou. Uma voz incontornável no nosso panorama literário, são suas algumas das obras mais significativas da poesia portuguesa contemporânea: Os Objectos Principais (1979), A Pequena Face (1983 – Grande Prémio de Poesia do PEN Clube Português), Quatro Caprichos (1999 – Prémio Luís Miguel Nava, Grande Prémio APE de Poesia), Duende (2002 – Prémio D. Dinis e Prémio Correntes d'Escritas), Aracne (2004).
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK