Noites de Inês-Constança

Noites de Inês-Constança

ISBN:978-972-37-1051-9
Edição/reimpressão:10-2005
Editor:Assírio & Alvim
Código:78567
Coleção:Obras de Fiama Hasse Pais Brandão
ver detalhes do produto
12,20€I
-10%
24H
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
24H
EM
STOCK
12,20€I
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEm stock - Envio 24H

SINOPSE

«Noites de Inês-Constança», o último texto teatral criado por Fiama Hasse Pais Brandão, é um dos raros textos contemporâneos […] sobre o mito de Inês assinado por uma dramaturga.
[…]
A «peça», em três actos e um epílogo (estrutura recorrente no teatro de Fiama que se deseja «acção» e não «diálogo»), organiza-se em torno de dez personagens-figuras: Inês-Constança, corpo e voz con-fundidos numa personificação dupla, ambivalente; Pedro; um Pajem; uma Ama; uma Jogralesa; Álvaro Perez; Diogo Lopes Pacheco; um Mensageiro Papal; e o Filho.
[…]
O grande debate que este texto propõe é o da investigação dos fundamentos da relação amorosa, […] num tempo histórico dado («tempos novos», nova Europa), e a procura da natureza essencial do Homem e da Mulher sobretudo no que diz respeito à sua representação consciente e auto-afirmada como seres da e na linguagem, que se embebedam de imagens e na linguagem se descompõem, como Pedro. (Eugénia Vasques)

Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Noites de Inês-Constança
ISBN:978-972-37-1051-9
Edição/reimpressão:10-2005
Editor:Assírio & Alvim
Código:78567
Coleção:Obras de Fiama Hasse Pais Brandão
Idioma:Português
Dimensões:146 x 206 x 6 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:80
Tipo de Produto:Livro
Dramaturga, tradutora e poeta, formada em Filologia Germânica na Universidade de Lisboa, exerceu actividade de investigação na área da literatura e da linguística. Revelou-se com "Morfismos", no âmbito da iniciativa Poesia 61, colectânea que reflectia uma tendência poética atenta à palavra, à linguagem na sua opacidade, na busca de uma expressão depurada e não discursiva. A criação poética de Fiama Hasse Pais Brandão impõe-se pela busca de uma expressão original, onde as palavras tentam evocar uma essência perdida, anterior à erosão do tempo e do uso corrente. A desconstrução das articulações do discurso e a sua metaforização provocam um estranhamento que conduz o leitor a despir a linguagem da sua convencionalidade e a entrever o acesso pela palavra pura a um tempo primordial. O critério de "amor pela leitura" que presidiu à versão de Cântico Maior pode, por extensão, ser aplicado à obra da autora que apresenta como fontes de emoção poética "o texto que cabe na pupila: o simultâneo, a grande cena das metáforas e das comparações, a Visão multiforme do Conhecimento (pus no coração a Sabedoria de Ezra), que é parcelar nas palavras e nas imagens e que só por acumulação diurna e através da absorção pupilar (como a do ar) tende para o Todo." ("Do prefácio de Cântico Maior", reproduzido em "Apêndice" a Obra Breve, 1991). Sob o Olhar de Medeia, a obra que marca a primeira incursão no romance por parte desta autora, foi publicado em 1998. Faleceu em Lisboa no dia 20 de Janeiro de 2006.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK