O Problema da Habitação

O Problema da Habitação

ISBN:978-972-37-1674-0
Edição/reimpressão:02-2013
Editor:Assírio & Alvim
Código:79339
ver detalhes do produto
12,20€
-10%
24H
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
EM
STOCK
12,20€
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEm stock - Envio 24H

SINOPSE

«Publicado em 1962, um ano após Aquele Grande Rio Eufrates, o livro agora reeditado pela Assírio & Alvim representa, a meu ver, um dos momentos mais coerentes e mais densos da obra de Ruy Belo: composto apenas por uma dezena de textos - sete poemas longos e três mais breves -, o seu desígnio corresponde a uma profunda interrogação do humano na sua relação com este mundo, com os seus enigmas e as suas perplexidades, mas também na busca de um sentido para a nossa presença aqui - uma presença efémera no espaço habitável que pode ser a Terra, onde estamos condenados a viver e onde subsiste sempre o problema da habitação, num planeta de onde Deus parece ter-se ausentado e onde a maior verdade parece ser a morte.»

Fernando Pinto do Amaral, no prefácio a este livro.
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

O Problema da Habitação
ISBN:978-972-37-1674-0
Edição/reimpressão:02-2013
Editor:Assírio & Alvim
Código:79339
Idioma:Português
Dimensões:145 x 205 x 7 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:72
Tipo de Produto:Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Poesia

sobre Ruy Belo

Doutorado em Direito Canónico pela Universidade de S. Tomás de Aquino, em Roma, e licenciado em Filologia Românica e em Direito pela Universidade de Lisboa, lecionou no ensino secundário e foi leitor de Português na Universidade de Madrid. Foi diretor literário de uma editora; chefe de redação da revista Rumo; adjunto do Diretor do Serviço de Escolha de Livros do Ministério da Educação Nacional; bolseiro de investigação da Fundação Calouste Gulbenkian; tradutor de numerosos autores franceses e colaborador em várias publicações periódicas. Vítima de um edema pulmonar, a sua morte precoce, em 1978, colheu de surpresa uma série de escritores que lhe dedicam, no mesmo ano, uma Homenagem a Ruy Belo. Iniciada em 1961, mas mantendo-se, na confluência da poesia dos anos 50, equidistante quer de um dogmatismo neo-realista quer do excesso surrealista, mas incorporando aquisições dessas duas formas de comunicação estética, para António Ramos Rosa, «A poesia de Ruy Belo é uma incessante reflexão sobre o tempo e a morte e a incerta identidade do sujeito que em vão procura o lugar originário onde se encontraria o ser na sua totalidade [...]. A incerteza e uma profunda frustração, muitas vezes impregnada de uma trágica ironia, dominam esta procura do lugar ontológico e da degradação existencial». (Incisões Oblíquas, Lisboa, 1987, p. 66). Abarcando a crítica irónica da realidade social e a denúncia das diversas problemáticas que equacionam o homem, desde a sua vivência espiritual e religiosa até ao envolvimento concreto e existencial, a poesia de Ruy Belo é uma «forma de intervenção, de compromisso, de luta por um mundo melhor [...] sem [...] o poeta pactuar com a demagogia, com o oportunismo que afinal representa não ver primordialmente na arte criação de beleza, construção de objectos tanto quanto possível belos em si mesmos» («Nota do Autor» a País Possível, 1973).
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK