Triálogo - Júlia - Relato 1453

Triálogo - Júlia - Relato 1453

ISBN: 978-972-37-0802-8
Edição/reimpressão: 09-2007
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78738
Coleção: Obras de Ruben A.
ver detalhes do produto
18,00€ I
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
18,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Em stock - Envio 24H
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE


«… Num rasgo de audácia comecei o KAOS, mas ficou parado, preciso de arrancar novamente, é coisa para mil páginas e depois só escreverei teatro, o que mais me apaixona pelo simples facto de não ter qualquer repercussão.» (Carta a Liberto Cruz, 17/11/1971)

Neste trecho epistolar, Ruben A. confirma-nos uma suspeita: a da existência nele, aqui confessada, de uma pulsão dramática latente que anima, além do mais, tantas páginas da sua prosa de narrador desassombrado e indomesticável. E ele aqui o diz no gesto bem soberano (que lembra António Patrício) de se «estar nas tintas» para os silenciamentos previsíveis, votados à recepção cultural de criações dramáticas de portugueses em Portugal; por culpa isolada ou concertada de desatenção, desamor, e/ou despeito (questão amarga e atávica que infelizmente detém a sua actualidade). Mas seja qual for o obstáculo ou o boicote, tal não atingirá de morte essa paixão de dizer, em forma escrita, que constitui a tentação dramatúrgica.

Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Triálogo - Júlia - Relato 1453
ISBN: 978-972-37-0802-8
Edição/reimpressão: 09-2007
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78738
Coleção: Obras de Ruben A.
Idioma: Português
Dimensões: 138 x 210 x 18 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 240
Tipo de Produto: Livro

sobre Ruben A.

Ruben Alfredo Andresen Leitão nasceu a 26 de maio de 1920, em Lisboa. Formado em Ciências Histórico-Filosóficas pela Universidade de Coimbra, foi docente na área da Língua e Cultura Portuguesas na Universidade de Londres entre 1947 e 1952. Estreou-se em 1949 com Páginas, misto de diário e ficção, um texto que sairia ao longo dos anos seguintes, em seis volumes. Destacam-se ainda, na novelística, os romances Caranguejo (1954), narrativamente escrito de trás para a frente, sem numeração de página, e A Torre da Barbela (1964), onde o autor funde a ficção biográfica e a ficção histórica. A segunda metade da década de 60 será marcada pela publicação dos três volumes autobiográficos O Mundo à Minha Procura. A sua escrita distingue-se pelo recurso a inteligentíssimos jogos de linguagem, desconstrução dos eixos narrativos tradicionais, subversão cronológica dos eventos passados e, claro, pela crítica irónica a uma certa forma de ser português. Alguns meses antes da sua morte, foi convidado a dar aulas na Universidade de Oxford. Morreu em Londres, a 26 de setembro de 1975.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK