Pequenos Burgueses

Pequenos Burgueses

avaliação dos leitores (1 comentários)
(1 comentários)
ISBN: 978-972-37-1052-6
Edição/reimpressão: 12-2005
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78577
ver detalhes do produto
14,00€ I
-10%
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
EM
STOCK
14,00€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I EM STOCK

SINOPSE

«Pequenos Burgueses» foi publicado pela primeira vez na Coimbra Editora, em 1948. O texto definitivo, que aqui se reproduz, é o da 7ª edição, Livraria Sá da Costa Editora, Lisboa, 1981, tendo sido corrigidos alguns lapsos. Com este volume damos por terminada a publicação das obras de Carlos de Oliveira.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Muito bom.
JP | 2015-06-01
Gostei muito! Carlos Oliveira apenas escreveu quatro romances, mas qualquer deles muito bem escritos. Considero este segundo livro um dos mais completos, no sentido de ao envolver uma série personagens e de situações consegue dar uma ideia mais ampla de como se vivia naquela época. Como aspeto negativo apenas tenho a dizer que talvez por haver "muitos" personagens alguns pecam por estar pouco desenvolvidos.

DETALHES DO PRODUTO

Pequenos Burgueses
ISBN: 978-972-37-1052-6
Edição/reimpressão: 12-2005
Editor: Assírio & Alvim
Código: 78577
Idioma: Português
Dimensões: 136 x 210 x 10 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 152
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance
Carlos de Oliveira nasceu em 1921, em Belém do Pará, filho de pais portugueses emigrados no Brasil. Tinha apenas dois anos quando a família regressou a Portugal. Na cidade que o acolheu, Coimbra, participou no grupo do Novo Cancioneiro, na génese do movimento Neorrealista, de que viria a ser uma das maiores vozes. Colaborou nas revistas Altitude e Seara Nova, e dirigiu durante algum tempo a revista Vértice. Começou a destacar-se com os seus livros de poesia – Mãe Pobre (1945), Micropaisagem (1968), Pastoral (1977), entre outros. O seu trabalho distingue-se pela constante depuração da escrita e pelo questionamento do gesto autoral, levando-o a corrigir e reescrever quase todos os seus trabalhos até ao final da vida: são disso exemplo os seus romances Casa na Duna (1943), Pequenos Burgueses (1948), Uma Abelha na Chuva (1953) ou Finisterra (1978). Faleceu em Lisboa a 1 de julho de 1981.
Ver Mais

QUEM COMPROU TAMBÉM COMPROU

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK